• Slide1
  • Slide2
Quinta, 23 Mai 2019 10:07

Pesquisa inédita mostra impacto ambiental negativo de ultraprocessados e carnes

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Por Guilherme Zocchio em 11 de abril de 2019

 

Doutorado da Faculdade de Saúde Pública da USP mostra que seguir recomendações do Guia Alimentar ajuda a natureza

“Prefira sempre os alimentos in natura ou minimamente processados e as preparações culinárias com predomínio de alimentos de origem vegetal, evitando os alimentos ultraprocessados.” O trecho é do Guia Alimentar para a População Brasileira, o documento do Ministério da Saúde que oferece orientações sobre comer de forma saudável.

Amplamente conhecido, ele toca também em um ponto ao qual se costuma dar menos atenção: o impacto ambiental das dietas. Esse aspecto, ligado às implicações sistêmicas da alimentação, motivou uma pesquisa inédita, relacionando o que se consome com as emissões de carbono e o uso das fontes de água.

O estudo “A alimentação e os impactos ambientais: abordagens dos guias alimentares nacionais e estudo da dieta dos brasileiros”, ao qual o Joio teve acesso em primeira mão, foi publicado em fevereiro deste ano e traz um novo olhar sobre o tema. Fruto do doutorado da cientista Josefa Maria Fellegger Garzillo, no Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde (Nupens) da USP, a investigação chega a uma conclusão para lá de importante.

“As dietas monótonas, com elevado consumo de carnes e alimentos ultraprocessados, pioram o quadro de segurança alimentar (…) [e] degradam os ecossistemas”, afirmou a autora.

Garzillo defendeu uma tese de 450 páginas, dividida em três partes. Primeiramente, ela estudou os guias alimentares de diferentes países e encontrou em 26 deles prescrições de como a alimentação está relacionada ao meio ambiente.

Na sequência, ela fundamentou uma metodologia para medir o impacto ambiental da dieta da população brasileira. Para isso, ela comparou o consumo médio de alimentos, segundo a Pesquisa de Orçamento Familiares (POF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com o que preconiza o Guia Alimentar para a População Brasileira.

Por fim, usou o método que construiu para medir qual a pegada de carbono e quão intenso é o uso da água. Entre as conclusões, o seguinte: seguir o que diz o Guia Alimentar para a População Brasileira é a fórmula do sucesso. Quanto menos carnes e ultraprocessados, melhor para o meio ambiente.

“O maior consumo de carnes apresentou as pegadas mais altas (6,4kgCO2eq e 6293 litros de água). O maior consumo de ultraprocessados (4,2kgCO2eq e 3789 litros de água) apresentou pegadas comparáveis ao consumo médio. Se 200 milhões de brasileiros adotassem a dieta saudável, eles reduziriam as emissões em 45 milhões de toneladas de carbono ao ano”, ela escreveu.

A quantia calculada seria equivalente a deixar de queimar o gás de seis botijões de cozinha por pessoa anualmente. Seis botijões é, de acordo com a cientista, a quantidade de consumo de gás anual em uma residência brasileira com família de três pessoas. Assim, a redução das emissões de carbono, com a adoção das dietas previstas no Guia Alimentar por toda a população, levaria a uma economia semelhante à quantidade de gás de cozinha consumido em um período de três anos. Não é pouco.

O doutorado da cientista inaugurou um caminho nas pesquisas sobre alimentação. Não só reforçou a noção de que há impactos ambientais sobre o que se consome, mas foi capaz de medir, quantificando, o tamanho destas consequências.

As aferições da pesquisa complementam as informações disponíveis no Guia Alimentar para a População Brasileira. O estudo amplia o número de evidências sobre o que significa comer de forma saudável, para si e para o planeta.

Nunca é demais lembrar: para se alimentar de forma saudável, é preciso que a produção ocorra de forma saudável, garantindo a preservação dos recursos naturais. “A sustentabilidade ambiental é condição sine qua non para a segurança alimentar no longo prazo e alguns impactos ambientais podem representar riscos de desabastecimento de água e alimentos ou torná-los impróprios para consumo”, observou a autora.

Com mais evidências sobre o que é saudável, é possível, segundo ela, nortear mudanças nos hábitos individuais e, também, nos sistemas alimentares, reorganizando, por exemplo, como se dá a oferta e a demanda de alimentos. “As pessoas precisam ser informadas de que as escolhas alimentares devem compatibilizar saúde e cuidado ambiental.”

O foco da pesquisadora nos guias alimentares não é à toa. Garzillo disse que eles são, no momento, a principal ferramenta para promover dietas mais saudáveis e sustentáveis. Nos documentos com abordagem ambiental, ela constatou que há preocupação em orientar a compra de mercadorias com etiquetas ambientais e oriundos de produção local, sazonal e ecológica.

Além disso, os 26 guias analisados recomendam: faça maior consumo de hortaliças e frutas frescas, moderando as carnes, e opte pelos alimentos tradicionais, evitando os produtos ultraprocessados, que vêm em embalagens e estimulam o consumo excessivo e o desperdício. Seguir tais orientações pode levar a melhores escolhas para o meio ambiente, minimizando as emissões de carbono e o uso excessivo de recursos hídricos.

“Talvez os guias alimentares integrados pudessem ser definidos como instrumentos que suportam as políticas públicas de transição para sistemas alimentares sustentáveis — ou para sociedades sustentáveis — e têm a saúde como critério, a saúde das famílias, dos agricultores, da flora, da fauna, do solo”, escreveu a cientista.

“É um material pedagógico para orientar as pessoas sobre as práticas alimentares que sejam saudáveis e prazerosas a elas próprias e para o planeta Terra, inserindo nas suas recomendações as ações de proteção ecológica em diferentes escalas: domiciliar, local, global e – por que não? – filosófica (ética e estética)”, complementou.

 

Para aceso ao conteúdo completo,acesse: https://outraspalavras.net/ojoioeotrigo/2019/04/pesquisa-inedita-mostra-impacto-ambiental-negativo-de-ultraprocessados-e-carnes/

Ler 120 vezes